Home História e Património Mosteiro de Paço de Sousa inicia as atividades comemorativas da conclusão das obras a 7 de abril
Mosteiro de Paço de Sousa inicia as atividades comemorativas da conclusão das obras a 7 de abril

Mosteiro de Paço de Sousa inicia as atividades comemorativas da conclusão das obras a 7 de abril

0
0

Mosteiro de Paço de Sousa: Final das Obras

No dia 7 de abril, domingo, têm início as atividades comemorativas da conclusão das obras promovidas pela Rota do Românico no Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa, em Penafiel, que terminarão no dia 14, com um concerto da Orquestra do Norte.

A cerimónia de inauguração das obras de conservação e salvaguarda do Mosteiro de Paço de Sousa, com início às 15 horas do dia 7 de abril, prevê, para além da sessão protocolar, a celebração (16h) de uma eucaristia presidida pelo Bispo do Porto, D. Manuel Linda, e a realização de uma visita guiada (17h30) aos diversos espaços do Mosteiro.

No domingo seguinte, 14, às 18 horas, a igreja do Mosteiro recebe o concerto de Páscoa – “Requiem em ré menor”, de Franz von Suppé (1819-1895), pela Orquestra do Norte. Com a direção de Fernando Marinho, o espetáculo, de entrada livre, conta com a participação dos solistas Sara Braga Simões (soprano), Patrícia Quinta (contralto), Mário João Alves (tenor) e Job Tomé (baixo) e com os coros Polifónico da Lapa e da Escola Superior de Educação do Porto.

A intervenção de requalificação do antigo Mosteiro beneditino de Paço de Sousa, uma das maiores referências da arquitetura românica nacional, incluiu a realização de escavações arqueológicas e diversos trabalhos de conservação e restauro, que tiveram início a 18 de abril de 2017, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

Os trabalhos em causa, subordinados a um projeto técnico da Direção Regional de Cultura do Norte, abrangeram a recuperação das coberturas, a drenagem e desaterro da envolvente, a limpeza e tratamento das paredes, a conservação dos tetos, a instalação elétrica e a requalificação do claustro.

Foram ainda desenvolvidas ações de conservação e restauro na sacristia da igreja, tendo como alvo o mobiliário, o retábulo, os caixotões e a pintura mural do lavabo.

As intervenções referidas implicaram um investimento total de 482 mil euros, cofinanciado em 85% pelo Programa Operacional Regional do Norte 2014/2020 (Norte 2020), através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, e em 15% pelo Município de Penafiel, no âmbito da operação “Rota do Românico: Património, Cultura e Turismo” apresentada pela Associação de Municípios do Vale do Sousa, entidade gestora da Rota do Românico.

Numa segunda fase dos trabalhos, no valor de 59 mil euros, integralmente assumido pelo Município de Penafiel, foram concluídas as escavações arqueológicas e a intervenção antropológica, bem como a avaliação estrutural da igreja e a fiscalização da empreitada.

O montante global da intervenção neste Monumento Nacional ascendeu, assim, aos 541 mil euros.

O Mosteiro de Paço de Sousa foi fundado no século X. A atual igreja foi edificada no século XIII e a capela-mor, a sacristia, o claustro e o que resta do edifício monástico datam dos séculos XVII e XVIII. O conjunto foi alvo de intervenções nos séculos XIX (1883 e 1887) e XX (1927-1938).

No interior da igreja encontra-se uma das mais belas peças da escultura românica nacional: a arca tumular de Egas Moniz de Ribadouro, o lendário aio de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.

O Mosteiro de Paço de Sousa integra a Rota do Românico, projeto turístico-cultural constituído, atualmente, por 58 monumentos, disseminados por 12 municípios, nos vales do Sousa, Douro e Tâmega, no Norte de Portugal.