Home Cultura Alberto S. Santos apresenta novo livro “A Arte de Caçar Destinos”
Alberto S. Santos apresenta novo livro “A Arte de Caçar Destinos”

0

Alberto S. Santos apresenta novo livro “A Arte de Caçar Destinos”

0
0

No próximo dia 13 de julho, a Porto Editora publica A Arte de Caçar Destinos, o novo livro de Alberto S. Santos. Antes de chegar às livrarias acontece a sessão oficial de lançamento, no dia 12 de julho, a partir das 21:30, no Jardim do Museu Municipal de Penafiel.

Reconhecido pelos seus romances históricos de grande sucesso – de que são exemplo A Escrava de Córdova ou O Segredo de Compostela – o autor trilha novos caminhos em A Arte De Caçar Destinos. Dos lugares longínquos e costumes exóticos retratados em obras anteriores, as tradições e práticas mágico-religiosas de Portugal (mais concretamente, do norte do país) são o foco das misteriosas histórias deste livro. Nestes sete contos, em que o sobrenatural se insinua, vive o património da memória das festas ligadas aos ciclos agrários, dos rituais profanos conquistados pelas religiões instituídas, da essência da alma portuguesa e do imaginário coletivo.

A Arte De Caçar Destinos é prefaciado pelo jornalista da TSF, Fernando Alves, que irá também conduzir a sessão de apresentação. Germano Silva, jornalista e historiador, assina o posfácio.

 

SINOPSE

Sete inquietantes histórias inspiradas no imaginário da tradição portuguesa.

O sete significa a perfeição e a abertura ao desconhecido. Os olhos de Deus e as cabeças do Diabo. É este o místico número de histórias narradas em A Arte de Caçar Destinos, onde vidas normais são perturbadas pelo inexplicável e sobrenatural.

Alberto S. Santos capta neste livro a essência da alma portuguesa que se preserva na tradição oral, nas festas dos ciclos agrários, nas práticas mágicoreligiosas, onde o sagrado e o profano se unem para a salvação das almas.

Entre de mansinho neste sedutor jogo de sombras, maldições ancestrais, poções mágicas, vidas interrompidas e caçadores de fados, e descubra o seu próprio destino. Nem sempre a vida é o que parece. Nem sempre está completamente nas nossas mãos.

Nuno Vieira de Almeida