Home Saúde CHTS é o primeiro hospital do Norte com uma equipa própria de formadores em Suporte Básico e Suporte Avançado de Vida certificada pela American Heart Association
CHTS é o primeiro hospital do Norte com uma equipa própria de formadores em Suporte Básico e Suporte Avançado de Vida certificada pela American Heart Association
0

CHTS é o primeiro hospital do Norte com uma equipa própria de formadores em Suporte Básico e Suporte Avançado de Vida certificada pela American Heart Association

0
0

CHTS iniciou formação interna em Suporte Básico de Vida e Suporte Avançado de Vida

Na passada quinta-feira, dia 20, o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) deu início às ações de formação interna em Suporte Básico de Vida (SBV) e Suporte Avançado de Vida. Os formadores, 10 médicos e enfermeiros do CHTS têm dupla certificação, a nacional, através do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e internacional, pela American Heart Association.

O projeto teve início em fevereiro com a formação da equipa que está agora preparada para ministrar estes cursos aos profissionais do centro hospitalar, mas também a estender estas ações ao exterior. “Obviamente que só o hospital tem imensos candidatos a estes cursos, mas temos potencial e ambição para alargar a formação à comunidade”, refere António Marçôa, vogal do Conselho de Administração responsável pela área da Formação.

Carlos Alberto, presidente do Conselho de Administração, confirma esta abertura à comunidade: “este é um hospital com um potencial imenso, com muita casuística, com uma população imensa, que caminha no sentido diferenciação”.

Fernando Moura, diretor do Serviço de Anestesiologia e coordenador deste projeto, entende que é essencial “treinar muito” e dotar todos os profissionais do CHTS de conhecimentos em SBV, fazendo um a dois cursos mensais. E se esta formação é aberta a todos, independentemente da sua formação base, os cursos de Suporte Avançado de Vida, direcionados especificamente para médicos e enfermeiros, são outra aposta em matéria de formação.

A paragem cardiorrespiratória é uma das principais causas de morte em todo o mundo e as técnicas de Suporte Básico de Vida, a par da utilização da Desfibrilação Automática Externa são a forma mais eficaz de contrariar esta tendência. Uma “atuação correta e atempada pode fazer a diferença entre a vida e a morte”, reforça Marco Sousa, enfermeiro responsável pelo projeto.